Deputados querem que CNJ investigue postura de desembargadores e de Moro


Os deputados federais Paulo Teixeira, Paulo Pimenta e Wadih Damous pretendem entrar com representação no CNJ contra Sérgio Moro. O desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região Rogério Favreto, que acatou o pedido dos petistas pela soltura de Lula, também pediu que o órgão apure "eventual falta funcional" do juiz da Lava Jato.

Ele determina ainda que a manifestação de Moro sobre o caso seja encaminhada à corregedoria do TRF-4.  De acordo com Teixeira, a peça dos deputados deverá ser entregue na terça-feira (10). Nela, os petistas vão alegar descumprimento de ordem judicial, desobediência e obstrução da Justiça da parte de Moro.

Isso porque o juiz da Lava Jato não cumpriu a decisão do desembargador Rogério Favreto, que estava no plantão de final de semana na corte. Além disso, a representação dos petistas também vai mencionar o fato do juiz da Lava Jato estar de férias desde o dia 2 até o dia 31 deste mês. Segundo nota do Tribunal Regional Federal, Moro entendeu ser possível despachar no processo por ter sido citado segundo informações do Estadão Conteúdo.

O PT (Partido dos Trabalhadores) publicou no domingo (8) em seu site uma nota em que critica o juiz Sérgio Moro, o desembargador do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) e relator da Lava Jato, João Pedro Gebran Neto, e também o presidente do TRF-4, Thompson Flores.

O texto, assinado pela presidente do PT e senadora federal Gleisi Hoffmann, ainda reclama dos delegados de plantão na Polícia Federal em Curitiba por não cumprirem a ordem do desembargador Rogério Favreto, de plantão no tribunal da 4ª região. "São todos cúmplices da mesma violência contra os direitos de Lula, contra a democracia e contra a liberdade do povo de votar em quem melhor o representa nas eleições presidenciais de outubro", diz a nota.

O Coletivo Advogadas e Advogadas pela Democracia pediu no domingo (8) ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região a prisão do juiz federal Sérgio Moro e do delegado da Polícia Federal no Paraná Roberval Drex pelos crimes de desobediência e contra a administração da Justiça. Segundo o grupo de advogados, o juiz Sérgio Moro não poderia se pronunciar sobre a prisão de Lula por estar em férias.