Prédio da Alba onde ocorreu incêndio está interditado; servidores são dispensados


Nesta segunda-feira (30), primeiro primeiro dia útil após o incêndio que atingiu a Assembleia Legislativa da Bahia, localizada no Centro Administrativo, apenas três dos quatro prédios que abrigam os setores da Casa estão em funcionamento. O edifício Luís Eduardo Magalhães, local atingido pelo fogo e principal prédio da Casa, está interditado.

O prédio permanecerá fechado até a conclusão da perícia do Departamendo de Polícia Técnica (DPT), prevista para o final desta semana. O resultado das investigações deve sair entre 10 e 30 dias. A Assembleia Legislativa não informou quandos funcionários estão sem trabalhar nesta segunda-feira.

De acordo com informações da assessoria de comunicação da Alba, os servidores lotados nos órgãos administrativos que funcionavam no prédio atingido pelas chamas, onde funcionavam os serviços administrativos, de recursos humanos e financeiro, foram dispensados.  Os gabinetes parlamentares, repartições e serviços que funcionam nos prédios anexos, o Nélson David, Wilson Lins e Senador Jutahy Magalhães não sofreram alterações na rotina.

O acesso, no entanto, está restrito aos funcionários. Pessoas que procuraram serviços nos três prédios da Alba que estão em funcionamento não foram liberadas para entrar. Um homem que conversou com o G1, e preferiu não se identificar, contou que esperava desde as 8h para pegar um documento, quando foi informado de que não poderia ter acesso ao edifício.

“Me disseram que só pode entrar funcionários, estou desde 8h esperando. Agora dizem que só vai funcionar de tarde, que está tudo suspenso”, disse. Na recepção do prédio, funcionários não comentaram a situação. Em toda a área próxima ao edifício Luís Eduardo Magalhães é possível observar restos de fibra de vidro, cinzas e fuligem que foram espalhadas pelo vento. A limpeza da área afetada pelo fogo só será concluída após a conclusão inicial dos peritos do DPT.