Fernando Haddad diz que vai 'criar condições' para redigir nova Constituição

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, disse na sexta (28) que vai trabalhar para criar as condições de redigir uma nova Constituição, como previsto em seu plano de governo, caso seja eleito. Em vista a Goiânia, o presidenciável confirmou que, em um eventual governo Haddad, será convocada uma Assembleia Constituinte.

No entanto, Fernando Haddad não detalhou a proposta, que, segundo disse, sofreu alterações no texto segundo informações do Folhapress. "Isso já foi mediado. Quando o PCdoB passou a integrar a chapa, houve uma alteração no texto para criar as condições da convocação de uma assembleia exclusiva".

Haddad desconversou ao ser questionado sobre a possibilidade de fechar alianças com o MDB e de algum nome da sigla ocupar ministério, caso ele seja eleito. "Todos serão bem-vindos, desde que concordem com as ideias que estamos apresentando", afirmou ele. O candidato também não quis se manifestar sobre o nome que será escolhido para ocupar o Ministério da Fazenda, em um eventual governo Haddad. "Não vou discutir isso agora".

A decisão deve ser divulgada só depois do início do segundo turno, como publicou a Folha de S.Paulo, para tentar diminuir a desconfiança do mercado. O presidenciável evitou fazer críticas à Polícia Federal e ao Ministério Público ao ser perguntado sobre a operação que aponta o ex-governador de Goiás e candidato ao Senado, Marconi Perillo, como chefe de esquema de pagamento de propina. A operação foi deflagrada nesta última sexta-feira (28).

No caso de operações realizadas pela Promotoria, Haddad disse que o CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) é que deve julgar a conveniência de abrir uma investigação sobre eventual partidarismo por parte dos integrantes da carreira. "Promotor não pode fazer política. Tem de fazer justiça". 28 de Set // Folhapress | Eleições 2018