Adversários pressionam e acusam Rui de fugir das discussões no terceiro bloco do debate

Terça, 02 de Outubro de 2018 - 

por Jade Coelho
Adversários pressionam e acusam Rui de fugir das discussões no terceiro bloco do debate
Foto: Max Haack / Ag. Haack / Bahia Notícias
A morte de 12 pessoas no Cabula, fila da regulação e educação foram os temas discutidos entre os postulantes ao Palácio de Ondina no terceiro bloco do debate na TV Bahia nesta terça-feira (2). A cinco dias da eleição, os candidatos apresentaram propostas genéricas, se utilizaram de dados e relembraram fatos do passado nas perguntas e respostas para os adversários.

Marcos Mendes (PSOL) questionou o candidato à reeleição Rui Costa (PT) sobre o caso do Cabula e uma declaração feita pelo governador na época, em que ele comparou os policiais militares envolvidos no episódio com artilheiros prestes a marcar um gol. Na resposta, Rui não comentou a declaração e defendeu uma polícia cidadã e que use a energia para combater a violência. “A polícia tem que usar energia contra marginais que usam armas para tirar a vida dos filhos das pessoas, nós somos rigorosos na apuração dos excessos dos policiais”, pontuou.

Zé Ronaldo (DEM) e João Santana (MDB) também tiveram como principal alvo Rui Costa. Os candidatos fizeram cobranças e críticas à administração do petista. Santana afirmou que a Bahia de Rui é virtual e que só existe “na cabeça e nas propagandas do governo”, enquanto o ex-prefeito de Feira de Santana acusou o governador de fugir das discussões e não responder os questionamentos levantados pelos adversários.

Enquanto isso João Henrique (PRTB) falou de obras realizadas por ele quando administrou Salvador e prometeu a realização de uma obra de infraestrutura que, segundo ele, vai gerar emprego e melhorar a vida dos baianos, um trem de alta velocidade entre Salvador e Feira de Santana, projeto do governador em exercício, Rui Costa.