Candidato do PCO ao governo coloca a falta de politização como o maior problema do estado

01 de Out // Foto: Paulo Victor Nadal/BN | Eleições 2018
O candidato ao governo da Bahia pelo PCO, Orlando Andrade, avalia que o maior problema do estado é a não politização da população segundo informações do Bahia Notícias. Ele indicou que, caso saia vencedor nas urnas, vai buscar atrair as pessoas para a discussão política, e culpou a "eleição burguesa" pela sua pouca visibilidade diante do eleitorado.

"Vivenciamos um cerceamento do direito democrático e esse cerceamento é exatamente para afastar a população das decisões e das discussões que devem ser feitas, tanto no Brasil como na Bahia", comentou Andrade. Ele ressaltou que dentro do próprio PCO as decisões são tomadas em conjunto e com a participação dos militantes.

Natural de Feira de Santana, onde foi candidato a vice-prefeito, Andrade também comentou o fato de, em Salvador, ter aparecido com mais intenções de voto que Zé Ronaldo, ex-prefeito de Feira de Santana. "É uma demonstração também que a população entende a necessidade de fazer mudança", avaliou. Ao Bahia Notícias, o candidato do PCO ao governo também criticou o formato atual da eleição ao falar sobre a propaganda eleitoral na televisão.

"A caracterização da eleição burguesa é que o Partido da Causa Operária só tem sete segundos. Em sete segundos não dá nem pra falar o nome praticamente", reclamou. Por outro lado, Andrade disse que os problemas financeiros também têm seu lado positivo no PCO. "As nossas dificuldades são financeiras, e isso até nos favorece na verdade. Atrapalha, mas nos favorece. Por ser um partido operário, que não tem vínculos e vícios com empresas e empresários que controlam os partidos burgueses, nosso partido é controlado pelos próprios trabalhadores, pelos próprios militantes", disse.