São medidas amargas', admite Rui Costa sobre pacote econômico encaminhado à AL-BA

30 de Nov // Foto: André Carvalho / Ag Haack | Economia
O governador Rui Costa admitiu em vídeo publicado nas redes sociais que o pacote econômico enviado recentemente à Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) (veja mais) traz medidas amargas, mas necessárias para a população. Ele ressaltou que a gestão estadual busca combater o déficit na previdência, que até o final do ano deve chegar a R$ 4,08 bilhões.

"As medidas são necessárias, são medidas amargas. É como dar um remédio amargo para o filho. A gente não gosta, mas é necessário dar para que ele possa sobreviver e voltar a ter a saúde plena. As medidas podem ser duras, mas são necessárias e devem ser tratadas com muita seriedade", comentou o governador, destacando o aumento da alíquota da previdência estadual de 12% para 14% .

No vídeo, Rui também comentou o projeto que fixa o salário do governador como teto do funcionalismo público (veja mais). "Havia uma polêmica judicial sobre o alinhamento do que está na Constituição Federal e do que está na Constituição Estadual e por isso muitos estavam ganhando acima do teto salarial. Estamos corrigindo isso", disse.

De acordo com o governador, o reajuste salarial dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que traz como consequência o aumento do teto constitucional federal, poderia provocar grave impacto na economia baiana. "Nós íamos explodir o gasto público dos altos salários na Bahia", alertou Rui.