NOVA ITARANA – Segundo dia da Unidade Móvel da Defensoria na cidade garante a resolução de diversos casos


“Eu quase endoido quando fui tirar os antecedentes criminais e vi que constava uma observação. Vocês chegaram na hora certa para me ajudar a resolver esse problema”. Sem saber o que fazer para provar que nunca cometeu nenhum crime, a lavradora Gessica Santos Santana, 26 anos, viu na Unidade Móvel de Atendimento da Defensoria Pública do Estado da Bahia – DPE/BA a única chance de tentar resolver o caso e “limpar sua ficha”. Nesta terça-feira, 21, pelo segundo dia consecutivo, a UMA atendeu aos moradores da cidade e somou mais 64 atendimentos dos mais diversos casos. O total de atendimentos nos dois dias foi de 126 pessoas.
O pesadelo da lavradora começou quando ela foi realizar uma inscrição e, para sua surpresa, foram encontradas restrições em seus antecedentes criminais. “É meu nome completo, minha foto, meus dados, mas nunca fui na cidade de Entre Rios e nunca dei essa nota falsa de R$ 100 que consta na minha ficha. É outra Géssica Santos Santana. Não sei o que fazer para provar”, relatou a lavradora. Para resolver o caso, o coordenador da Unidade Móvel, o defensor púbico Marcus Vinícius Lopes de Almeida, foi, pessoalmente, até à Delegacia da cidade e, após análise, chegou à conclusão que trata-se de homônimo e que os dados foram inseridos no cadastro de forma equivocada. “Através da atuação da Unidade Móvel, conseguimos, através da Secretaria de Segurança Pública, retirar os registros que constavam nos antecedentes criminais dela e, agora, já está apta a realizar a inscrição. Como segundo passo, vamos oficiar a SSP para regularizar a situação de vez”, explicou o coordenador, enquanto a lavradora não parava de agradecer.
“Obrigada por terem vindo de tão longe”
Assim como a lavradora viu na Defensoria a solução do seu problema, o mesmo aconteceu com a dona de casa Leniz Cruz, 44 anos, que foi atropelada há dois meses por um funcionário que conduzia o veículo de uma empresa de provedor de internet da cidade. “Estou passando por necessidade e não tenho a quem pedir ajuda, pois meu filho que me ajudava financeiramente teve que sair do trabalho, em São Paulo, para vir para cá me acompanhar e cuidar de mim”, contou a dona de casa.
Como solução, a Defensoria enviou carta-convite para o dono da empresa, cuja mãe é a proprietária do veículo, e, após a conciliação feita na Unidade Móvel, ele aceitou o acordo. “Durante a mediação e conciliação, as partes firmaram um acordo de pagamento de ajuda de custo alimentar, além do pagamento de despesas médicas e de fisioterapia, transporte para a realização dos exames em outra cidade e órteses e próteses, caso sejam necessárias”, explicou a defensora pública Walmary Pimentel, após a resolução extrajudicial do caso.
“Se não fossem vocês eu não teria conseguido solucionar isso nunca. Obrigada por terem vindo de tão longe olhar por nós”, agradeceu a dona de casa, que será submetida a uma segunda cirurgia e está com a perna direita imobilizada.
A visita da Defensoria à cidade também trouxe a solução para o ex-casal Elizete Araújo Santos, 64 anos, e Simão Oliveira dos Santos, 66 anos. “Fomos casados por nove anos, estamos separados há 37 anos e, nestes desencontros deste tempo todo, nunca conseguimos divorciar”, contou ela. “Depois de quase 40 anos, chegou a hora”, acrescentou ele, após ter assinado o termo do divórcio.
Além do coordenador Marcus Vinícius e da defensora pública Walmary Pimentel, este atendimento da UMA em Nova Itarana contou com a participação da defensora pública Júlia Araújo de Abreu e servidores de Salvador e Santo Antônio de Jesus. “Vocês trouxeram esclarecimentos para nós, moradores, e esta orientação fez toda a diferença e nos mostrou que temos direitos e que temos que correr atrás deles. Voltem mais vezes a Nova Itarana!”, convidou o metalúrgico George Campos, 32 anos, que aproveitou a visita da UMA à cidade para buscar orientações sobre o recebimento do benefício do aluguel social.
Próxima parada: Brejões
Depois de Nova Itarana, agora a Unidade Móvel percorrerá mais 30 quilômetros e levará os serviços da Defensoria para mais perto dos moradores de Brejões. O atendimento será realizado nas próximas quinta e sexta-feira, 23 e 24 de maio, na Praça da Bandeira, no centro da cidade, das 8 às 12h e das 13h30 às 16h.
Atenciosamente,
Ingrid Carmo
Assessoria de Comunicação
Defensoria Pública do Estado da Bahia - DPE/BA

Nenhum comentário