“Consórcio não é lugar para fazer política, é ferramenta de gestão”, diz Rui Costa a prefeitos do sul da Bahia

O governador Rui Costa (PT) disse nesta sexta-feira (26), em Ilhéus, que consórcio não é lugar para fazer política e sim uma ferramenta de gestão. O chefe do Executivo estadual cumpre extensa agenda no sul da Bahia, iniciada com a inauguração, em Ilhéus, de uma unidade do supermercado Assaí Atacadista. Em seguida, participou, no Centro de Convenções do município, de reunião com prefeitos da região para tratar da criação de consórcios municipais de infraestrutura e para destinação de resíduos sólidos.
Para o governador, o consórcio de infraestrutura tem que ter máquinas, mas também tem que ter funcionário contratado com carteira assinada, capacitado, para operar os equipamentos. “Não é um empregado municipal para operar os equipamentos modernos, que eles não conhecem. É o funcionário do consórcio, treinado para isso. Não adianta disponibilizar uma máquina moderna para o município e não ter uma pessoa preparada para operar aquele equipamento”.
Ainda de acordo com Rui, que está acompanhado do secretário estadual de Infraestrutura, Marcus Cavalcanti, o consórcio não funciona só com a parte do Estado, é preciso ter engajamento dos prefeitos. “Olhem para os consórcios como ferramenta de gestão, consórcio não é lugar para fazer política. O consórcio é uma ferramenta com a qual eu posso fazer mais coisas para o meu município por um custo menor”.
Destino dos resíduos sólidos
O governador Rui Costa também afirmou que o objetivo da reunião é, assim como foi feito no consórcio de Saúde, dar uma solução aos resíduos sólidos por meio de parceria entre Estado e municípios. “O primeiro passo, eu entendo, é que cada município tem que tomar consciência de que sozinho não tem fôlego para resolver essa questão. Nós não podemos ir a lugar nenhum ficar jogando lixo a céu aberto, muito menos em uma região com forte apelo turístico. Se nós quisermos que toda a região traga cada vez mais investimentos em pousadas, hotéis, restaurantes, gente para vir gastar dinheiro na região, gerar emprego, nós temos que, definitivamente, resolver a questão de limpeza pública e coleta e destino do lixo”, destacou.
Rui lembrou que a responsabilidade da destinação dos resíduos sólidos pertence, legalmente, ao município. “O Estado quer ser colaborador, mas a decisão cabe, exclusivamente, ao município. Eu acredito que a solução é um consórcio. Como os municípios têm baixa capacidade de investimento, e o Estado tem um pouco mais de articulação, acredito que possamos nos juntar e organizar o tratamento de lixo sólido de forma consorciada”.

Nenhum comentário