Cúpula do Planalto avalia suposta provocação de Mandetta sobre 'fala única' contra coronavírus


Interlocutores avaliam que a fala à emissora que o presidente costuma classificar como "inimiga" também foi vista como uma afronta

[Cúpula do Planalto avalia suposta provocação de Mandetta sobre 'fala única' contra coronavírus]
Foto : Isac Nóbrega/PR
Por Metro1 no dia 13 de Abril de 2020 ⋅ 
Interlocutores e integrantes do Palácio do Planalto viram a entrevista do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta ao Fantástico, da Rede Globo, como uma provocação ao presidente Jair Bolsonaro. Os dois travam uma guerra pública sobre medidas de enfrentamento ao novo coronavírus. Na entrevista, divulgada noite de ontem (12), Mandetta não apenas voltou a contrariar as opiniões do presidente e defendeu o isolamento social como forma mais eficaz no combate à proliferação do vírus.
No entanto, o Planalto avaliou que a fala à emissora que o presidente costuma classificar como "inimiga" também foi vista como uma afronta. Segundo o jornal Estado de S. Paulo, outro ponto que não passou despercebido foi o fato de a entrevista ter sido gravada no Palácio das Esmeraldas, na sede do governo de Goiás. No último mês, o governador Ronaldo Caiado (DEM) rompeu com o Bolsonaro, após o presidente se referir à covid-19 como uma "gripezinha".
Políticos avaliam que Mandetta usou a entrevista para marcar posição e mandar recado que não vai ceder. O ministro cobrou uma unificação do discurso para orientar a população. “Eu espero que essa validação dos diferentes modelos de enfrentamento dessa situação possa ser comum e que a gente possa ter uma fala única, uma fala unificada. Isso leva para o brasileiro uma dubiedade. Ele não sabe se escuta o ministro da Saúde, o presidente, quem é que ele escuta”, disse Mandetta.