‘Dessa vez é pior’, diz governador Rui Costa sobre volta de temporal na Bahia; em todo o estado, são 66 cidades em situação de emergência

 


O governador Rui Costa voltou a falar, neste sábado (25), sobre as fortes chuvas que atingem quase todas as regiões da Bahia, em especial as cidades do sul, desde a última quinta-feira (23). De acordo com ele, em relação ao temporal que afetou o extremo sul no início de dezembro, a situação é pior agora, porque abrange maior número de localidades.

“A constatação é que o epicentro da chuvas deslocou-se do extremo sul para região sul, especialmente entre aquelas cidades de Ilhéus e de Vitória da Conquista. Então, todas as cidades que estão neste intervalo foram fortemente atingidas pelas chuvas”, comentou.

“É uma situação de risco, porque agora são mais locais atingidos. Antes, era uma coisa mais concentrada em quatro cidades e agora, está se espalhando”.

Segundo ele, as autoridades ainda estão levantando os estragos, mas já é possível afirmar que há grande número de desalojados em pelo menos 20 cidades. A estimativa é de que cada cidade tenha, ao menos 300 pessoas fora de suas casas, o que totalizam seis mil. “São pessoas que tiveram de sair de suas casas, porque a água subiu um metro, dois metros, em alguns lugares, até três metros”.

Neste sábado, o governo do estado anunciou a instalação de uma base de apoio em Ilhéus, e avalia se o mesmo vai ser feito no aeroporto de Vitória da Conquista, na região sudoeste, que também enfrenta problemas por causa do temporal.

“Estamos mensurando o estrago. Mas, de imediato, a partir de hoje as equipes já começaram a chegar em Ilhéus para montagem desse centro de operações, que ficará no aeroporto e no Colégio Militar”, detalhou. Conforme Rui, o governo já enviou donativos, como cestas básicas, colchões e outros itens para as famílias atingidas.

Também neste sábado, o governador se reuniu com prefeitos dos municípios afetados e com três ministros do governo federal: João Roma, da Cidadania, Rogério Simonetti Marinho, do Desenvolvimento Rural, e Marcelo Queiroga, da Saúde, além do Alexandre Lucas, da Defesa Civil Nacional.

“Nós alinhamos as medidas que deverão ser tomadas. Vamos montar esse centro de comando único, que vai reunir os órgãos estaduais e federais no mesmo espaço. Nós teremos uma coordenação única, seja para área de saúde, de apoio logístico, de resgate.

“O governo federal colocará aeronaves, nós já estamos com aeronaves e com fé em Deus, nós receberemos manifestações de envio de apoio, ou seja de helicópteros, botes, bombeiros”.

Os governadores de cinco estados já manifestaram apoio às vítimas das chuvas: João Dória, de São Paulo, Romeu Zema, de Minas Gerais, José Renato Casagrande, do Espírito Santo, João Azevedo, da Paraíba, e Flavio Dino, do Maranhão.

Portanto ne as providências também formais já estão sendo adotadas no meu ponto de vista da papelada Para os municípios poderão ter acesso a recursos para assistência nesse primeiro momento que é assistência alimentar e acolhimento das famílias Estão fora da suas residências.

O número é bastante alto. Não temos ainda um total. Só um levantamento individual ou cidades da mostrando que cada uma dessas cidades no mínimo 300 pessoas Desalojadas. Já temos relatórios com cidades com 700 pessoas desalojadas. Então número deve ficar bastante expressivo de pessoas que pelo menos temporariamente tiveram de sair de suas casas e só quando a água baixar aqui nós saberemos de fato quando os desabrigados nós teremos.

O governador Rui Costa determinou a instalação de uma base de apoio no município de Ilhéus, sul do Bahia, com objetivo otimizar os esforços para ajudar as cidades que sofrem com fortes chuvas. O anúncio foi feito na manhã deste sábado (25), quando ao menos 19 cidades da região são atingidas por temporais.

Em todo o estado, são 66 cidades em situação de emergência por causa das chuvas. Até a noite de sexta-feira (24), foram registradas 17 mortes provocadas pelas chuvas que atingem a Bahia desde o início de novembro.

As regiões sul e sudoeste do estado são as mais afetadas pelas chuvas. Em Itororó, o número de desabrigados chegou a 200 neste sábado; em Guaratinga, os temporais deixaram 600 pessoas desabrigadas e causaram o desabamento de 58 casas. Além disso, 25 pontes ficaram danificadas, deixando comunidades em isolamento.

Segundo informações da Superintendência de Proteção e Defesa Civil (Sudec), 3.788 pessoas ficaram desabrigadas e precisaram de apoio das prefeituras e 10.955 ficaram desalojadas (tiveram que abandonar seus imóveis, mas não necessitaram de abrigo) até sexta-feira (24).

Temporais também afetam outras partes do estado: as cidades de Ibipeba e João Dourado, na região norte, sofrem com o alagamento de vias e casas desde quinta-feira (23). A situação é semelhante em Salvador, que antes do fim de dezembro já registrou volume de chuvas cinco vezes maior do que o esperado para o mês inteiro.

Rui se reuniu com prefeitos, secretários estaduais, Defesa Civil e Corpo de Bombeiros, para identificar e agilizar as primeiras ações, principalmente recuperação de serviços essenciais.

O governador também manteve contato com outros governadores e informou os estados que ofereceram ajuda. Além disso, o ministro da cidadania, João Roma, disponibilizou a estrutura do Governo Federal.

“Temos 19 cidades com várias comunidades embaixo d’água. A base de apoio está montada em Ilhéus e já começa a receber apoio dos governos do Maranhão, Espírito Santo e Minas Gerais, além do Ministério da Cidadania. A prioridade neste momento é retirar todas as pessoas das áreas de riscos, restabelecer serviços e abrir estradas”, declarou Costa.

A chuva que atingiu quase todas as regiões da Bahia no início do mês tinha dado uma trégua, mas voltou a cair com força desde quinta-feira (23) e se intensificou na sexta (24), permanecendo até este sábado.

De acordo com a Superintendência de Proteção e Defesa Civil do estado, os municípios mais afetados pelos temporais recentes são: Coaraci, Dário Meira, Firmino Alves, Floresta Azul, Guaratinga, Ibicuí, Iguaí, Itabuna, Itajuípe, Itambé, Itapitanga, Itororó e Pau Brasil.

Na sexta, o órgão atualizou as estatísticas e apontou aumento do número de desabrigados e desalojados em toda a Bahia. Ao todo, 378.986 pessoas foram afetadas pela chuva de alguma forma. Até então, 66 municípios estão em situação de emergência por causa da chuva, desde o início de novembro.

A chuva forte que atinge o sul e extremo sul da Bahia também causou interdições em várias estradas da região. Segundo as polícias Militar e Rodoviária Federal, há diversos pontos de alagamentos, que impossibilitam a passagem de veículos neste sábado (25). G1Foto: Isac Nóbrega/PR