Conselho de Saúde diz que Bahia precisa de medidas de restrição "mais duras"

 


Órgão que fiscaliza o SUS no estado afirma que decreto prorrogado frustrou expectativas

O Conselho Estadual de Saúde da Bahia, órgão que fiscaliza o SUS, afirmou queo decreto de restrições para o controle da Covid-9, atualizado nesta sexta-feira (4), frustrou a autarquia. "Em um cenário de recordes de casos ativos sendo batidos diariamente, era esperado que o governo estadual anunciasse medidas mais duras, restringindo de forma mais eficiente a circulação de pessoas. O cenário nacional, com quase mil mortes diárias, impõe a necessidade de ações para conter o vírus", afirmou, por meio de nota. 

O comunicado acrescenta ainda que "a variante Ômicron já tem mostrado capacidade de alterar três principais indicadores (contágio, ocupação de leitos de UTI e mortes) e não pode ser tratada como 'leve'". Além disso, a imprevisibilidade do surgimento de novas mutações que podem prolongar a pandemia também deveria ser uma preocupação motivadora de medidas mais restritivas, sobretudo contra os não-vacinados. 

O Conselho disse também que tem defendido medidas como a distribuição gratuita e orientação do uso de máscaras adequadas, como as do tipo N95 e PFF2; equidade na aplicação e distribuição da vacina no Estado; manutenção do financiamento dos leitos de UTIs COVID-19; e ampliação da cobrança do passaporte vacinal em mais ambientes fechados como escolas, consultórios médicos e ferry-boats

Foto: Reprodução

Por: Metro1 no dia 05 de fevereiro de 2022