Lula não contará com apoio do PSD no primeiro turno mesmo numa eventual troca do cabeça de chapa na Bahia


 Defendendo a formação de uma chapa com candidato próprio à corrida presidencial nas eleições desse ano, o presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, descartou a possibilidade de apoiar o ex-presidente Lula (PT) no primeiro turno. Mesmo tendo sido ventilado a possibilidade do ex-governador, Jaques Wagner (PT) abrir mão da candidatura cedendo a posição para o senador OTTO Alencar (PSD) na Bahia, que há 16 anos é governada pelos petistas.

“Não temos nenhuma discussão com o PT que envolve questões regionais e a Bahia é um tema local que nem passa por mim”, afirmou Kassab em entrevista para o jornal Valor Econômico. Ainda segundo Kassab, ex-prefeito de São Paulo, Otto Alencar é candidato à reeleição ao Senado, na chapa do PT. “Isso está sendo discutido localmente, não tem nenhuma vinculação nacional, tem zero repercussão no plano nacional. Nós vamos ter candidato próprio a presidente”, disse Kassab.

Articulações para as eleições 2022

O governador da Bahia, Rui Costa, não pode ser candidato à reeleição pois já está em seu segundo mandato. Existe uma possibilidade dele participar de um projeto para disputar uma vaga no senado, ocupada atualmente por Otto. Nessa hipótese, o vice-governador baiano, João Leão (PP), assumiria o governo do Estado até o dezembro.

Kassab garante que continua de pé o plano do PSD de ter o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), como cabeça da chapa presidencial da legenda. Pacheco, no entanto, tem demonstrado estar mais interessado em se reeleger para presidente do Senado. O mandato parlamentar dele se encerrará somente em 2027.

“Ele ainda está avaliando, foi convidado para ser candidato, pediu tempo para avaliar e está avaliando. Tem tudo para ser candidato, eu mesmo vou coordenar a campanha dele se ele aceitar a candidatura, ele mesmo me convidou”, afirmou o dirigente do PSD.

“Agora, se ele decidir que não será candidato a presidente, o [governador gaúcho do PSDB] Eduardo Leite é uma boa alternativa, não é?”, indagou. Leite foi derrotado na prévia presidencial tucana de novembro pelo governador de São Paulo, João Doria. Diante do desempenho eleitoral do paulista, que aparece estacionado em 4% nas pesquisas de intenção de voto, parte do PSDB defende que o presidenciável da sigla seja Eduardo Leite. O gaúcho avalia a hipótese de migrar para o PSD, concorrer a presidente, desde que tenha garantias de que será o candidato e de que sua candidatura será válida.

No dia sete desse mês, Kassab e Lula se reuniram em São Paulo. Mas o ex-prefeito nega a aproximação. “Não tem ‘aprouch’ nenhum com o Lula, nós vamos ter candidato próprio. O fato de eu ter me encontrado com o Lula recentemente não diz nada. Desde 1986 que eu converso com o Lula”, despistou o presidente do PSD.

Em apuração do Valor econômico, o senador Otto Alencar disse que não se falou em acordo nacional na reunião mantida por ele com Lula, Jaques Wagner, Rui Costa e a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, em São Paulo. No encontro, realizado no início dessa semana, Kassab não participou. “O que aconteceu foi a reunião com o ex-presidente Lula sobre a formação de chapa na Bahia. E Jaques Wagner não abriu mão da candidatura dele a governador. [A retirada de candidatura] É especulação, não houve uma reformulação de chapa”.

Sobre a possibilidade do atual governador da Bahia, Rui Costa, disputar a vaga ao Senado, Alencar negou e afirmou que está mantido o entendimento dele concorrer à reeleição. “Não tem novidade nisso, ficou na mesma coisa, a candidatura de Jaques Wagner ao governo e minha ao Senado, não se definiu ainda o candidato a vice-governador, mas está tudo mantido”. BNews