Justiça reconheceu falta de provas em acusação de homicídio contra suspeito dois dias após sua morte pela PM em pousada de luxo em Jaguaripe; entenda

 


Por falta de provas, a Justiça determinou, nesta última quinta-feira (14), o arquivamento do processo por homicídio no qual um dos réus era Agnaldo Leite da Silva Neto, morto dois dias antes na área de uma pousada de luxo no litoral da Bahia. De acordo com o tenente-coronel Edmundo Assemany, os dois homens mortos após confronto com a polícia eram considerados chefes do tráfico de drogas na região de Feira de Santana.

O processo contra Agnaldo, conhecido como Talisca, era sobre um homicídio registrado em 6 de dezembro de 2020 no qual uma jovem foi baleada num bar pouco depois da meia-noite. Segundo a investigação do caso, a vítima tinha um relacionamento amoroso com Erick Pereira Maciel, o Leca, que integraria uma organização criminosa ligada ao tráfico de drogas. Em razão disso, ela teria recebido ameaças de morte. À época, o autor do disparo foi identificado como Carlos Santos Alves, o Carlinhos, que morreu no decorrer do andamento processual.

Segundo o Globo, Agnaldo entrou no caso a partir de uma acusação de que teria ajudado Carlinhos a fugir, com apoio de outro réu, chamado Wesley Araújo Nascimento, o Latro. No entanto, não foram encontrados indícios suficientes de autoria ou participação contra nenhum dos dois, de forma que o Tribunal de Justiça da Bahia determinou que o caso não será encaminhado para o júri, a partir do pedido do Ministério Público pelo arquivamento do processo. Com isso, foi determinado alvará de soltura para Wesley.

Uma das testemunhas que estavam no bar na hora do crime não souberam informar o envolvimento de Wesley e Agnaldo, nem a motivação e suas circunstâncias. “Apenas o policial relatou que ouviu de testemunhas do envolvimento de Wesley e Agnaldo, que ambos estariam junto com Carlinhos no carro durante os fatos, mas não soube informar os nomes dessas testemunhas”, afirma trecho da decisão.

Uma das digitais influencers, Laylla Cedraz, utilizou seu perfil oficial no Instagram pela primeira vez após sair da prisão na última terça-feira (12). Ela foi presa após tentar fugir com Adrian Grace, próximo a Pousada Paraíso Perdido. Laylla namorava Felipe Augusto, morto durante uma troca de tiros com os policiais. Nos Stories, ela desmentiu a informação de que ele era envolvido com o tráfico de drogas.