Genival de empreendedor a prefeito de SAJ. fundador das lojas Rio Mar Modas e Rio Mar Sport Wear em Valença, veja!

 Genival Deolino, fundador das lojas Rio Mar Modas e Rio Mar Sport Wear em Valença, atualmente Conselheiro do grupo empresarial gerido pela família, compartilha conosco um pouco de sua trajetória e valores que o conduziram à posições de destaque


Filho João Policarpo de Souza e Perolina do Desterro, Genival Deolino Sousa tem 68 anos e é natural de Taperoá, onde viveu sua infância e pré-adolescência. A juventude e vida adulta foram vivenciadas em Valença. Os negócios o levaram a Santo Antônio de Jesus, onde reside atualmente. Bacharel em Ciências Contábeis e Pós-Graduado em Gestão Tributária, Genival é casado e pai de três filhos.  Genival é Conselheiro do grupo empresarial familiar formado pelas lojas Dix (Santo Antônio de Jesus), Rio Mar Sport Wear, Rio Mar Modas e Hering, estas últimas situadas em Valença; e também prefeito de Santo Antônio de Jesus.

Nesse bate-papo conversamos sobre Valença, empreendedorismo, sua ida para à política e a importância da união familiar. Confira!

Vidalto Oiticica: Genival, nos conte como teve início seu empreendedorismo no ramo da confecção.

Genival Deolino: Antes de fundar as lojas, eu trabalhei na Brasilgás em Valença e depois num escritório de contabilidade de Arondir Souza e Laine Coutinho e nesse período desenvolvi bem meu trabalho, aprendi bastante, sou grato a eles, na época fui mandado para trabalhar em outras cidades, eu fazia um roteiro que era Laje, Mutuípe, Jiquiriçá e Santo Antônio de Jesus, fazia esse roteiro mensalmente para pegar documentos e fazer escrituração, eu era muito jovem ainda, mas eles confiavam no meu trabalho, então o escritório foi crescendo em Santo Antônio de Jesus e eu fiquei praticamente baseado lá, e depois de um determinado tempo que estava lá, resolvi me tornar autônomo, fazia a escrituração em um escritório de contabilidade, depois de algum tempo os donos resolveram vender esse escritório, ele era bem pequeno, aí fiz um esforço muito grande, tomei dinheiro emprestado e adquiri o escritório, trabalhei com muito afinco, entrava seis horas da manhã  e saía depois das oito horas da noite e o escritório foi crescendo. Um ano depois fundamos a loja Dix em 1976, primeira loja de moda em Santo Antônio de Jesus, e fomos crescendo devagarinho, minha esposa muito dedicada também. Começamos a viajar para Rio, São Paulo, Ceará para comprar confecção e fomos pouco a pouco crescendo a empresa, e a contabilidade também no mesmo ritmo. Uns cinco anos depois surgiu um segundo escritório, que era próximo a Feira Municipal de Santo Antônio de Jesus e já melhor de vida, eu comprei o prédio nessa Feira e unifiquei o escritório.

Vidalto Oiticica: Sua primeira loja então surgiu em Santo Antônio de Jesus. Como foi o processo de empreender no ramo também em Valença, cidade que você morou por anos?

Genival Deolino: Em 1983 meus dois irmãos, João e Gilson, moravam fora, eles trabalhavam na Marinha, e aí primeiro eu quis trazer o João para Valença, meus pais moravam em Valença, os dois eram vivos, hoje só minha mãe ainda é viva, então eu fiz esse convite a João para que ele saísse da Marinha e viesse fundar a Rio Mar Modas como meu sócio e até hoje ele está na direção da loja. Algum tempo depois nós abrimos a Rio Mar Sport, que é hoje das minhas irmãs Geilda e Gecilda, mais recente veio a franquia da Hering, que também é do grupo da família. Eu hoje estou como Conselheiro do grupo, até porque atualmente estou no setor público e, consequentemente, as lojas já não são nossas, hoje são da família.

Vidalto Oiticica: Você acompanhou várias décadas do desenvolvimento de Valença e testemunhou uma época mais áurea em relação aos dias atuais. Seu negócio familiar evoluiu, o comércio evoluiu, mas a gente percebe que cidade no geral, não acompanhou essa evolução. Você atribui isso a quê?

Genival Deolino: Valença tem um grande potencial turístico, potencial agrícola, na pesca, comércio forte. Eu acredito que é preciso aproveitar melhor esses potenciais turístico que Valença tem, precisa contratar especialista na área turística para fazer um trabalho de base mesmo, porque eu viajo muito para o exterior, conheço alguns países e vejo que as pessoas criam condições para que o turista viaje, aqui não, aqui a gente tem muito potencial natural, praias muito bonitas, temos cachoeiras, então é preciso explorar melhor, fazer um planejamento turístico para Valença, Santo Antônio de Jesus tem muito menos potencial, quase nada em relação a Valença, mas nós já estamos planejando muito bem e eu tenho certeza que o governo aqui vai olhar para esse potencial turístico para que possa dar uma alavancada no segmento e, consequentemente  gerar muito emprego e renda para toda região. Só é preciso organizar melhor esses potenciais para obter um resultado melhor que traga benefícios para todos os munícipes de Valença.

Vidalto Oiticica: Valença tem algumas peculiaridades de destaque, por exemplo, ela é a maior produtora de cravo do Brasil e destaque em outras culturas, quando chega a época de pico, o comércio tem uma efervescência econômica, em contraponto, não há uma infraestrutura voltada para a agricultura no sentido de promover o desenvolvimento. Como você avalia essa questão?

Genival Deolino: Eu acredito que é uma outra questão porque nós não temos muita tradição de cooperativa, não só em Valença, mas em toda a região aqui próxima. Tem que haver o cooperativismo porque com ele você consegue fazer muito mais, o setor público pode sim estimular o cooperativismo porque ele vai trazer mais orientação técnica, uma forma de produzir melhor, a agroindústria. Quando você industrializa o produto, você agrega um valor triplicado do que é o produto In Natura, então tem esse potencial aqui, pode ser investido também em fabricação de chocolate, enfim, Valença tem muito potencial para que desenvolva mais a sua área rural, principalmente se tiver orientação técnica,  acho que isso é importante, Santo Antônio de Jesus está fazendo isso, nós temos seis técnicos agrícolas pagos pela prefeitura orientando os produtores, nós distribuímos recentemente 50 mil mudas de cacau, distribuímos algumas toneladas de sementes para os pequenos produtores e o mais importante, estamos prestando orientação técnica para que eles desenvolvam suas atividades agrícolas e consequentemente ter muito mais rendimento nas suas lavouras.

Vidalto Oiticica: Em sua trajetória de vida, você traz um modelo de empresa familiar que teve sucesso, modelo de edificação familiar, de integração, que não vemos com muita frequência acontecendo na nossa região. Você seguiu um modelo que é comprovado que funciona e tem sucesso, hoje você é o conselheiro e a família gere. Qual é a receita que você deixa para que outras famílias tenham esse sucesso também?

Genival Deolino: A gente precisa, em determinados momentos, estar sempre negociando, tolerando, cedendo uma parte ou outra, porque nem sempre tudo são as mil maravilhas, mas a gente precisa ter posturas para que não haja rompimentos, atritos maiores, temos que buscar sempre entender o outro lado e procurar trabalhar em harmonia, consequentemente as coisas fluem naturalmente.

Vidalto Oiticica: Você goza de uma condição de extremo respeito na sua família por ter sido quem a direcionou e conduziu para este momento. Quais os cuidados, além desses que você disse, que você deixa como aconselhamento para prosperar? Porque você saiu de Valença e quis retornar oferecendo a sua família uma infraestrutura para que ela estivesse bem aqui, o que comprova também que Valença é uma terra que pode trazer sucesso para todo cidadão.

Genival Deolino: Sem dúvida Valença tem um potencial muito grande, e se você trabalhar, organizar, planejar, você terá sucesso e é isso que nós fazemos, definimos bem qual é a função de cada um, definimos o quanto cada um pode dispor no estabelecimento, tudo é bem separado, pessoa física de pessoa jurídica, não misturamos porque se nós misturarmos, às vezes, você se confunde, então temos que tratar empresa distinta da pessoa física, porque só assim você consegue manter a empresa sempre em bom estado, sempre superavitária e, para isso é necessário que haja essa organização, esse planejamento definindo a função de cada um, para que as coisas fluam normalmente e cresçam sem muito estresse.

Vidalto Oiticica: Além de você ser um estudioso dos números, você também empreendeu e teve que lidar permanentemente com os números. Você atribui só essa competência ao seu sucesso ou a outros requisitos também?

Genival Deolino: Uma das coisas que eu sempre prezo na vida é a confiança, eu gosto de confiar nas pessoas, acreditar no potencial, então normalmente a gente dá toda a liberdade para que os nossos colaboradores desenvolvam seu potencial e, consequentemente eles tem uma melhor compensação quanto a isso, em termos de participação no lucro, ou mesmo em termos de comissão e isso faz com que a empresa ande bem, não precisa ter aquela ditadura na empresa, cada um sabe o que deve fazer, o que pode fazer, lógico que a gente tem que monitorar resultados, mas isso faz com que a gente, sem muito estresse, absorva o potencial de cada colaborador, somado a todos, faz com que o empreendimento cresça. Então o mais importante é você dá liberdade e nós damos sempre essa liberdade para que as pessoas possam sugerir o que é melhor para o desenvolvimento da empresa e do seu trabalho também.

Vidalto Oiticica: Como foi para você sair de uma área privada e ir para o setor público, hoje como chefe do Executivo de Santo Antônio de Jesus?

Genival Deolino: Foi uma decisão um pouco difícil, até porque nunca participei ativamente da política, mas certo dia um amigo meu me convidou para uma reunião de quatro pré-candidatos que eram oposição ao governo na época e eu aceitei, ele disse que iam colocar meu nome e depois de 15 dias escolher quem ia ser o candidato desse grupo, e, para minha surpresa, eles disseram que meu nome foi escolhido, então como havia dado minha palavra que se meu nome fosse escolhido eu sairia candidato, então eu assumi esse compromisso, então surgiu assim, e também da vontade de fazer o melhor pela cidade que me acolheu, acho que Santo Antônio de Jesus me deu muito, e seria hora de retribuir, até porque as empresas já estavam organizadas, com seus supervisores, gerentes, já estavam “caminhando” sozinhas praticamente, lógico que a gente tem que estar sempre aconselhando, acompanhando. Eu precisava realmente fazer algo pela cidade que me acolheu e que a gente cresceu, e é esse o meu propósito, fazer o melhor para Santo Antônio de Jesus, com muita dedicação, com muita seriedade e com transparência.

Eu já fazia muito trabalho voluntário, no Rotary Club, participei da Associação Comercial por mais de 30 anos, fui presidente, e junto com os nossos parceiros construímos um grande prédio que hoje tem três mil m², é um prédio muito bonito, todo espelhado. Fui presidente por dois mandatos do Clube Social Clube dos 100, também tesoureiro, Conselheiro do Clube dos 100, sou Conselheiro até hoje do Clube dos 1000, então eu já tinha esse trabalho voluntário forte na cidade, e as pessoas acreditaram no nosso potencial por ver o trabalho que nós já desenvolvíamos, e me colocaram nessa tarefa de dirigir o nosso município e estamos dirigindo com muita honra e pode ter certeza, que após o nosso mandado, Santo Antônio de Jesus será uma nova cidade.

Vidalto Oiticica: Existe uma carência muito grande da população valenciana contribuir com o associativismo e o cooperativismo, e sabemos que essas duas ferramentas são capazes de transformar uma sociedade. Você praticamente é filho de Valença, morou aqui, saiu, retornou, continua presente aqui orientando e conduzindo sua família. Qual mensagem você deixa pra população valenciana sobre a importância da contribuição social através do serviço voluntário?

Genival Deolino: O associativismo é muito importante, tem aquela frase “juntos podemos mais”, e isso acontece com o associativismo, você vê que aqui em Valença a Associação Comercial é importante, é forte, mas não é tão forte como em Santo Antônio de Jesus, lá o associativismo da Associação Comercial é muito forte, eu atuei por mais de 30 anos, fui presidente por dois mandatos inclusive, tesoureiro, passei por todos os cargos e a gente estava sempre integrados com todos os comerciantes, temos lá em torno de 600 associados ativos, isso fez com que a associação ficasse forte e trouxesse muitas entidades para Santo Antônio de Jesus. A Associação Comercial de Santo Antônio de Jesus participou ativamente do processo da vinda do Hospital Regional, da UFRB, do IFBA, do curso de administração da UNEB, então temos que fomentar o associativismo aqui em Valença ou em qualquer região, que é muito importante para o crescimento da cidade.

Vidalto Oiticica: Em setembro desse ano a Rio Mar Modas vai completar 39 anos, seguindo a sua orientação, 39 anos que trouxe um novo conceito de vestir bem, novo conceito de moda, a marca Rio Mar é uma marca consolidada, de referência. Qual seu sentimento hoje vendo a Rio Mar chegar aos 39 anos de sucesso na gestão de sua família e tendo você como Conselheiro?

Genival Deolino: A mensagem é que nós temos que acreditar no nosso potencial, acreditar também no potencial dos nossos colaboradores, dar liberdade para que eles se desenvolvam, para que eles opinem, para que participem da administração, porque você vai muito mais longe quando tem a participação de todos, é essa mensagem que eu deixo para todo o empresariado da região, ouçam os seus colaboradores, porque quem conhece muito da empresa são eles que estão lá no dia a dia, eles tem muito a oferecer para o desenvolvimento da sua empresa.

Vidalto Oiticica:  Genival, suas considerações finais.

Genival Deolino: Quero agradecer pela oportunidade de estar falando com meus conterrâneos valencianos. Meu pai, minha família toda daqui, eu nasci em Taperoá, mas fiquei muito tempo aqui em Valença. Quero também aqui agradecer todo o apoio da minha família porque família é tudo, ao João, a Geilda, Gecilda, ao meu pai João Policarpo in memoriam, a minha mãe Perolina de 95 anos, muito ativa, eu venho toda semana aqui jantar ou almoçar com ela, é importante a gente estar sempre lembrando a família, tem Gilson, que não está aqui, mas também colaborou com a gente, então eu agradeço a toda família por ter acreditado em mim, ter seguido aquilo que a gente tem discutido, tem orientado, tenho certeza que unirmos chegaremos bem mais longe. Estou à disposição para qualquer orientação, qualquer informação que eu possa ajudar ao crescimento da nossa querida Valença.  Com informações do Portal Valença Agora