Lava Jato: Em sigilo, Palocci e Polícia Federal negociam colaboração premiada


Preso pela Operação Lava Jato, o ex-ministro Antonio Palocci vem negociando em sigilo um acordo de delação premiada com a PF. Depois de tentar, sem sucesso, reduzir sua pena a partir de tratativas com os procuradores da Lava-Jato, a mudança de balcão foi a forma encontrada pelo ex-ministro petista para tentar abreviar seu período na prisão.

Uma fonte com acesso privilegiado às negociações disse ao Globo que as tratativas estão avançadas e terão um desfecho, no mais tardar, já em maio. O ex-ministro foi condenado a 12 anos de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O Supremo Tribunal Federal começou a julgar, na quarta-feira, o habeas corpus de Palocci.

Quatro dos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal votaram no sentido de que o ex-ministro continue preso. Segundo o relator, Edson Fachin, Palocci deve continuar atrás das grades porque há risco de ele praticar novas infrações. Palocci promete revelar na delação alguns dos principais clientes de sua empresa de consultoria. Ele confessaria ter usado sua influência para favorecer esses clientes no governo em troca de milionárias propinas.

Palocci citaria pelo menos dois bancos, um deles com grande atuação varejista no país. O ex-ministro também faria revelações sobre integrantes do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), um dos alvos centrais da Operação Zelotes, e ainda incluiria nomes de dois ministros de tribunais superiores. A Operação Lava-Jato desbaratou grupos no Executivo e no Legislativo, mas não obteve sucesso nas tentativas de entrar na seara do Judiciário.

Nas novas tratativas com a Polícia Federal, o ex-ministro melhorou a proposta de delação. Ele teria fornecido mais detalhes e indícios dos crimes dos quais participou ou teve conhecimento. Para um experiente investigador, Palocci é um dos poucos condenados da Lava-Jato que têm informações importantes para debelar estruturas criminosas ainda fora do alcance da polícia.

— As negociações estão avançando bem. Ele ainda é um dos poucos que têm bala na agulha — disse ao Globouma fonte que acompanha o caso de perto. Fundador do PT, ex-prefeito de Ribeirão Preto, ex-ministro da Fazenda do governo Lula e ex-chefe da Casa Civil de Dilma Rousseff, Palocci participou das decisões mais importantes do partido nas últimas duas décadas.

Desde maio de 2017, vinha tentando fechar um acordo de delação com a força-tarefa da Lava-Jato. Em troca de redução de pena, o ex-ministro se oferece para contar detalhes de mais de uma dezena de crimes dos quais participou. Nas conversas preliminares, ele não conseguiu convencer os investigadores da relevância de suas confissões.

Um dos líderes da força-tarefa da Lava-Jato, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima chegou a dizer, em entrevista ao GLOBO em agosto de 2017, que as histórias contadas por Palocci não passariam de “fofoca de Brasília’’.

— Não preciso que ele tenha prova, mas bom indicativo de que a coisa vai para a frente. Se tivesse sido no começo (da Lava-Jato), quando você não tinha nada, pouco sempre parece bastante. Quando você está na situação atual, mesmo que não seja pouco, não é suficiente — disse Carlos Fernando.