Braço direito do candidato Jair Bolsonaro admitiu ter recebido caixa 2 da JBS

6 de Out // Folhapress | Eleições 2018
Anunciado pelo candidato Jair Bolsonaro (PSL) como o seu ministro-chefe da Casa Civil caso vença as eleições, o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM) admitiu no ano passado ter recebido R$ 100 mil em caixa dois da empresa de carnes JBS. Em entrevistas à imprensa em maio de 2017, Lorenzoni argumentou que o dinheiro foi usado para quitar gastos de campanha de 2014, mas concordou que deveria "pagar pelo erro".

O ministro da Casa Civil é responsável pelas articulações entre Palácio do Planalto e Congresso Nacional. O pagamento para Lorenzoni consta de um procedimento amplo, que envolve vários políticos, classificado como "petição" aberta no STF a pedido a PGR  em maio do ano passado a partir do acordo de delação premiada fechado com donos e executivos da JBS.

Passados 15 meses da admissão de culpa do parlamentar, nenhum inquérito foi aberto e ele não foi responsabilizado de nenhuma maneira. Em maio deste ano, Raquel Dodge pediu ao STF que desmembrasse a parte da delação que trata de pagamentos "via caixa dois, por meio de entrega direta de dinheiro ou mediante notas fiscais 'frias' a diversos políticos nos anos de 2006 a 2014", entre os quais se encontra o caso de Lorenzoni.

Mas não se sabe o rumo que a investigação tomará ou mesmo se o deputado de fato será investigado. O parlamentar foi citado na delação fechada pelos executivos da JBS com a PGR e homologada pelo STF em maio de 2017. O colaborador Ricardo Saud, ex-diretor de relações institucionais da JBS, apresentou à PGR uma longa lista de parlamentares que, segundo ele, receberam recursos via caixa dois eleitoral.

Saud disse que Lorenzoni e outros dois deputados do Rio Grande do Sul receberam o dinheiro por meio de um empresário do mesmo ramo de atividades da JBS, Antonio Jorge Camardelli, que é presidente da Abiec (Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne).

"Deputado federal Onyx Lorenzoni -todos candidatos à reeleição- do DEM do Rio Grande do Sul, [R$] 200 mil em espécie no dia 12 de setembro de 2014, entregue no Rio Grande do Sul pelo Camardelli também", disse Saud no depoimento gravado em vídeo pela PGR. Quando a delação de Saud veio a público, Lorenzoni concedeu diversas entrevistas em Porto Alegre (RS) nas quais admitiu ter recebido o caixa dois, embora em valor inferior ao delatado.

"Eu vou para a frente do Ministério Público [dizer], 'sim, recebi os valores'. Na minha contabilidade o valor é menor, não são os 200 mil. Eu tenho para mim que foram cem mil reais. De qualquer maneira isso é irrelevante. O que é importante é dizer aos gaúchos é que um, vamos assumir essa responsabilidade. E dois, eu vou poder continuar dizendo para os meus eleitores, 'eu não minto'", disse Onyx em entrevista coletiva à imprensa do Rio Grande no Sul em maio de 2017.

Na prestação de contas entregue por Lorenzoni à Justiça Eleitoral naquela campanha, não há nenhum recurso declarado da JBS ou de Camardelli. Na campanha toda, segundo o deputado, ele arrecadou R$ 2 milhões. Nas entrevistas, Lorenzoni disse que Camardelli foi apenas um intermediário, "apenas me prestou um auxílio, no sentido de me alcançar [R$] 100 mil, foi o recurso que recebi".

OUTRO LADO
Procurado nesta segunda-feira (15) pela reportagem para falar sobre o assunto, Lorenzoni não foi localizado. Camardelli, procurado por meio da assessoria da Abeic, não havia se manifestado até as 20h. No ano passado, Lorenzoni disse em entrevista à Rádio Bandeirantes de Porto Alegre que teve o "cuidado de perguntar a ele [Camardelli] se esses recursos eram de origem ilícita. Ele disse que era de uma associada nossa, não há nenhuma dúvida de que esse dinheiro tenha origem limpa.

E, bom, final de campanha, reta final, a gente cheio de compromissos de fornecedores, pessoas. Eu usei o dinheiro. E a legislação brasileira não te permite fazer a internalização desse recurso". O deputado disse ainda que pedia "desculpas aos eleitores do Rio Grande do Sul que confiam em mim pelo erro que eu cometi".

Antes do caso da JBS, Lorenzoni já havia sido citado no acordo da empreiteira Odebrecht como tendo recebido R$ 175 mil de caixa dois, segundo depoimento do delator Alexandrino Ramos de Alencar. Nesse caso, contudo, Lorenzoni nega o recebimento. Em junho passado, o STF arquivou o inquérito a pedido da PGR por falta de provas.

"No meu caso, quero reafirmar, nem a quadrilha do Lula, nem a quadrilha da Odebrecht nem a JBS fizeram qualquer correlação com corrupção. Inclusive o próprio delator diz, perguntado pelo investigador, ouvi agora à tarde, 'teve alguma contrapartida? Não, a contrapartida alguma, foi apenas para a eleição'. É um erro? É um erro, e eu tenho que pagar pelo erro", disse o parlamentar na entrevista de 2017.