Santa Bárbara: Missa, cânticos, mistura de crenças e banho de água benta marcam festas

Foto: Maiana Belo/G1 | Entretenimento
"Bárbara guerreira, rainha dos astros, dona dos trovões, deusa da trovoada". Esse é o trecho de uma das canções entoadas pela multidão de vermelho que reverenciou Santa Bárbara nesta terça-feira (4), no Centro Histórico de Salvador. Santa Bárbara é Iansã para o Candomblé, padroeira dos bombeiros e mercados. A festa da santa é Patrimônio Imaterial do estado e abriu o período de eventos religiosos da Bahia.

Entre os fiéis que estavam no Pelourinho, muitos idosos, mas os jovens e crianças também marcaram presença. Os fiéis não se intimidaram com o tempo nublado e períodos de chuva desta terça-feira, afinal, "ninguém aqui na Bahia é feito de açúcar", como destacou Maria da Silva ao ser perguntada se havia preocupação com a chuva segundo informações do G1.

Ecoando cânticos católicos e do candomblé, fiéis mostram muita devoção. Eles demonstram respeito e tolerância diante da mistura de crenças. E entre um louvor católico e outro, era possível ouvir pessoas dizendo: "Epa Hei Oyá", uma saudação a Iansã. Qualquer balaio com imagem da santa que passasse entre a multidão todos reverenciavam e faziam questão de tocar. A missa campal foi aberta ao som de trombones por volta das 8h.

Quem foi ao Largo do Pelourinho sentia, de longe, o cheiro do incenso que espalhou um sentimento de tranquilidade e paz aos fiéis. A celebração foi presidida pelo pároco Lázaro Muniz, no Largo do Pelourinho, a alguns metros da Igreja de Nossa Senhora do Rosário, templo responsável por abrigar a santa e fazer os festejos a Santa Bárbara.

A missa desta terça-feira teve características semelhantes às missas que acontecem frequentemente na igreja do Rosário, onde o ritual católico é realizado com louvores que são entoados com instrumentos percussivos e até canções em Yorubá.

O momento de euforia entre os fiéis foi quando, por volta das 10h20, a imagem de Santa Bárbara deixou a Igreja do Rosário para seguir na procissão até o quartel do Corpo de Bombeiros, localizado na Barroquinha. Santa Bárbara também é conhecida como protetora dos trovões e tempestades.

O vínculo com fogo dessas tempestades tornou a entidade padroeira dos bombeiros. Diante disso, o Corpo de Bombeiros também faz sua homenagem à santa. Durante a procissão, alguns fiéis aguardaram a passagem da santa pelas ruas do Pelourinho e se aglomeraram em pontos do Centro Histórico como no Terreiro de Jesus, em frente à Catedral Basílica de Salvador e na Praça da Sé.

Por volta das 10h50, a imagem da Santa foi recebida ao som das sirenes de um carro do Corpo de Bombeiros. Na sede do Corpo de Bombeiros, na Barroquinha, quem fugiu das gotas de chuva que caíram durante a missa campal não teve como escapar do banho de água com alfazema que foi colocada em um carro dos bombeiros e lançada na multidão.

Em seguida, a mangueira foi fechada e o andor de Santa Bárbara foi entregue aos bombeiros que deram uma volta com a padroeira na sede do agrupamento. Após o "banho" e se sentirem benzidos pela água benta, os fiéis continuaram na sede do Corpo de Bombeiros para aproveitar o caruru que é servido pela corporação.

Apesar da festa aparentar ter um fim, o dia de Santa Barbara é comemorado durante toda esta terça-feira, em Salvador. No Largo do Pelourinho ainda terão apresentações musicais como o cantor Jorginho Commancheiro, grupo Samba Chula de São Brás, Conexão Negra e Claudya Costta.