Audiência do caso Iuri Sheik dia 24 terá oitiva de testemunhas; assassinato aconteceu em festa no centro de Santo Antônio de Jesus

Está marcada para o dia 24 deste mês a audiência decisiva acerca do homicídio do ex-empresário da Black Style, William Oliveira. A audiência acontece justamente no dia em que ele completaria 29 anos. Conhecido como Will, o rapaz foi assassinado a tiros durante uma festa de São João em Santo Antônio de Jesus.
O acusado pelo crime é o ex-digital influencer Iuri Sheik, que está preso desde o dia 26 de junho e teve seu pedido de relaxamento de prisão negado em novembro do ano passado. Segundo o delegado Edilson Magalhães, titular da 4ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior, que investigou o caso, Sheik chegou a confessar o crime. 
Mãe de duas filhas de William, Eniele Santos mostrou indignação com a situação. “Iuri vai ter a oportunidade um dia de sair da cadeia, de viver socialmente e William não, foi assassinado covardemente. Isso dói porque as minhas filhas usam as redes sociais, uma delas completou 10 anos no dia 6 de fevereiro e isso atinge ela porque ela acaba tendo acesso a todas essas informações. Isso não era pra estar acontecendo, ele era para estar lá trancado, ele tem que pagar pelo que ele fez”.
Gabriel Bonfim, advogado de acusação, afirmou que a próxima audiência será de fundamental importância, uma vez acontecerá a oitiva de testemunhas e a partir das informações colhidas haverá a decisão se Sheik vai ou não a júri popular.
“É uma audiência complementar à formação do conjunto de provas que vai levar à sentença de pronúncia a júri popular”. À reportagem, Bonfim reiterou que “Iuri já teve mais de cinco Habeas Corpus negados, o que faz ele ser mantido na prisão de forma cautelar”. 
O advogado foi enfático ao falar sobre a expectativa de condenação do acusado. “O juiz já tem muitos elementos de provas, pois o próprio Iuri fala nos depoimentos em delegacia que foi ele quem matou. Mas as testemunhas são pra apurar como foi o crime, em que situação, etc. Essas testemunhas, que são dos dois lados, vão compor, fortalecer a prova de que foi ele quem matou e que foi por motivo fútil, torpe”. 
Outro lado
Victor Valente, advogado de Iuri Sheik, concedeu entrevista e comentou a suposta confissão de seu cliente. “O delegado não nos proporcionou participação na oitiva de Iuri, mesmo sabendo que ele já tinha advogado constituído. Então, eu ignoro qualquer tipo de conteúdo que conste nesse interrogatório. Pra mim esse ato é nulo e não existiu”.
Sobre a audiência prevista para acontecer no Fórum Criminal de Sussuarana, em Salvador, Valente explicou que trata-se de uma “carta precatória” e que “tem finalidade de ouvir as testemunhas que residem em Salvador. Testemunhas arroladas pelo Ministério Público e pela defesa”.
Questionado sobre a estratégia da defesa, o advogado afirmou que “vai esperar o desenrolar dos fatos”. “Uma coisa são as provas pré-processuais, outra coisa é o direcionamento do processo em si, e por isso vamos aguardar o desenrolar da ação”, completou. Informações do Bocão News Reprodução

Nenhum comentário