Vice-líder do governo não ‘vê’ necessidade de Rui ter que esclarecer na Alba compra de respiradores por Consórcio

O deputado estadual Robinson Almeida (PT), vice- líder do governo na Assembleia Legislativa (AL-BA), saiu em defesa do governador Rui Costa (PT), convidado pelo presidente do Legislativo estadual, Nelson Leal (PP), a prestar esclarecimentos durante sessão remota sobre a compra frustrada de respiradores pelo Consórcio Nordeste. O parlamentar não “vê a necessidade de o governador ter que esclarecer fatos específicos”.
“Eu vejo o governo do estado agindo com transparência em relação a essa compra dos respiradores pelo consórcio Nordeste. Inclusive ocorreu uma operação policial que prendeu pessoas representantes dessa empresa que fraudou a vinda desses respiradores e muitos fatos estão sendo colocados publicamente”.
Sobre a saída do ex-secretário da Casa Civil, Bruno Dauster, cujo pedido, nos bastidores, é tido como um dos desdobramentos da situação, Robinson disse ter sido informado “publicamente”. “Foi uma decisão pessoal e quando a decisão é pessoal, surpreende mesmo todo mundo”, completou.
ENTENDA O CASO
A compra dos ventiladores que agora é algo de investigação por deputados, Polícia Civil e o Ministério Público Federal foi concretizada pelo governo da Bahia, que pagou adiantado pelos produtos que nunca foram entregues. Foi a gestão do governador baiano que, inicialmente, denunciou e deflagrou a Operação Ragnarok para apurar irregularidades na empresa que recebeu pelos equipamentos, a Hempcare Pharma.
No entanto, a investigação tomou outros rumos. Dias após a deflagração da Ragnarock pela Polícia Civil da Bahia, a dona da empresa Hempcare, Cristiana Prestes, um dos alvos da operação, citou o ex-chefe da Casa Civil do estado, Bruno Dauster, como o principal responsável pelas negociações envolvendo os respiradores. Segundo ela, que chegou a ser presa temporariamente, Dauster foi quem a procurou e ele conduziu “99,9%” das tratativas.
O chefe da Casa Civil da Bahia foi exonerado após a declaração. Após ter seu nome associado à compra mal sucedida de respiradores, o ex-secretário afirmou que sempre agiu “com absoluta transparência e rigor ético” e que deixou a pasta para evitar a politização do tema. A compra resultou em um prejuízo financeiro de R$ 49 milhões para os nove estados da região e R$ 9,8 milhões para a Bahia. (BN)

Nenhum comentário