Associação Médica Brasileira defende banimento do uso de remédios sem eficácia comprovada contra Covid

 

Em julho do ano passado, associação havia defendido "autonomia do médico"

[Associação Médica Brasileira defende banimento do uso de remédios sem eficácia comprovada contra Covid]
Foto : Divulgação

metro1⋅ 

A Associação Médica Brasileira (AMB) mudou o posicionamento e passou a condenar o uso de remédios sem eficácia contra a Covid-19. Em boletim divulgado hoje (23), a associação diz que o uso de medicamentos como a cloroquina e a ivermectina deve ser banido. Em julho do ano passado, a entidade havia defendido a "autonomia do médico" ao receitar os medicamentos.

"Reafirmamos que, infelizmente, medicações como hidroxicloroquina/cloroquina, ivermectina, nitazoxanida, azitromicina e colchicina, entre outras drogas, não possuem eficácia científica comprovada de benefício no tratamento ou prevenção da COVID-19, quer seja na prevenção, na fase inicial ou nas fases avançadas dessa doença, sendo que, portanto, a utilização desses fármacos deve ser banida", afirma associação. 

No documento, a AMB ainda ressalta a necessidade de ação das autoridades para solucionar a falta de medicamentos no atendimento de pacientes internados com Covid, principalmente daqueles necessários para a intubação. Em Salvador, o secretário Leo Prates afirmou que está sendo feita uma compra emergencial para garantir os medicamentos em todas as unidades de Saúde. 

A associação lidera um grupo que reúne diversas sociedades científicas e associações médicas de todo o País, as entidades alertam para a falta de estrutura, insumos e profissionais neste momento da pandemia e ressaltam que as fake news “desorientam os pacientes”. Reafirmam ainda que não existe tratamento precoce comprovado contra a doença.