João Roma defende auxílio e afirma que ‘programa respeita responsabilidade fiscal’: ‘Não existe economia forte se tem gente com fome’

 E


m meio ao imbróglio em relação ao Auxílio Brasil, o ministro da Cidadania João Roma saiu em defesa do novo programa social do Governo Federal que vai substituir o Bolsa Família. De acordo com Roma, o benefício não vai furar o teto de gastos. “Não existe economia forte se tem gente com fome. Reitero que o social e a economia são as duas faces da mesma moeda. O Auxilio Brasil acolhe o cidadão e respeita a responsabilidade fiscal’, escreveu o ministro nas redes sociais. Na terça-feira (19), Roma se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro, os ministros Flávia Arruda (Secretaria de Governo), Ciro Nogueira (Casa Civil) para discutir uma solução para o impasse. Para o jornal Valor Econômico, quando questionada sobre se haviam encontrado uma solução para o imbróglio, a ministra respondeu: “Achamos a ‘Solução Roma’”. O valor de R$ 400 defendido por Bolsonaro rompe o teto de gastos e não é bem visto pela equipe econômica. Ainda ontem, o Planalto cancelou o anúncio que seria feito para dar os detalhes do novo benefício após reação negativa do mercado.Agência Brasil