Nazaré, completou 172 anos de emancipação política

 

O município de Nazaré, completou 172 anos na última quarta-feira, dia 10 de novembro. E para comemorar a data, uma programação foi preparada pela Secretaria Especial de Cultura. As comemorações começaram às 8h da manhã desta quarta-feira (10) com a cerimônia de hasteamentos das bandeiras do Brasil, de Nazaré do município. A solenidade, realizada em frente ao prédio da Prefeitura Municipal, foi abrilhantada pela Fanfarra e contou com a presença da prefeita Eunice Barreto, de seu vice, bem como secretários municipais (entre eles, o titular da pasta de Governo, Eunice, guardas municipais e outras autoridades políticas do município.
A programação contou ainda com o corte simbólico do bolo de aniversário na própria Prefeitura. Em seguida, às 10h, foi realizada uma missa em ação de graças, no centro. O ato religioso foi celebrado pelos os párocos do município. Acompanhando a Prefeita Eunice Barreto Peixoto, o vice-prefeito Ben-Wilson Júnior, o Presidente da Câmara Nagib Neto e o líder político e ex-prefeito Isaac Filho, entre os visitantes estavam:
Deputado estadual Luciano Simões
Deputado estadual José de Arimateia
Prefeito de Jaguaripe Dr Arandas
Prefeito de Muniz Ferreira Prof° Gileno
Vice-prefeito de Jaguaripe Péricles
Vice-prefeito de Muniz Ferreira Vavá
Ex- Prefeito de Jaguaripe Hunaldo
Ex-Prefeito de Feira de Santana José Ronaldo, que representou ACM Neto.
O Presidente da Câmara de Santo Antônio de Jesus Chico de Dega
A vereadora de Santo Antônio de Jesus Tia Adriana
O vereador de Muniz Ferreira Ray
Representante da Deputado Fabíola Mansur Sr Machado Capitão Maurício 3ªCia de Nazaré
Comandante SADOVIC Tiro de Guerra
Comandante Geremias Guarda Municipal
Gustavo representante da Polícia Civil
HISTORIA
Município caminha em busca de desenvolvimento, todavia, prima pela conservação do acervo arquitetônico e manutenção de suas tradições Detentora de um dos mais ricos acervos arquitetônicos, estilo barroco, da Bahia e do Brasil, a cidade de Nazaré, graças ao pujante comércio de farinha na região, ficou conhecida nacionalmente como “Nazaré das Farinhas”. Distante de Salvador a 223 km, em trajeto rodoviário ou a 58 km através da BA-001 e travessia pelo sistema “ferry-boat”, ainda conserva características de uma vida prosaica no seio de sua população. Berço cultural da Bahia, Nazaré sempre se destacou, também, pela tradição cultural e religiosa.
Além de centenárias igrejas, o município que comemora em 10 de novembro 172 anos de emancipação política, tem, indubitavelmente, vocação turística, impulsionada pelo turismo religioso através da via-sacra, suas igrejas, procissões, bem como pelos eventos culturais como “Feira dos Caxixis”, manifestações culturais como capoeira, maculelê, samba de roda, terno de reis, bumba meu boi, São João e outros eventos. A Via-sacra, construída numa extensão de 1.200m, “conta”, através das estações, integradas por 32 estátuas, a saga do sofrimento de Cristo que, depois de condenado, foi crucificado, morto e sepultado.
O conjunto arquitetônico da Via Sacra foi construído na gestão do então prefeito Clovis Figueiredo. De lá até a atualidade, o poder público vem cuidando, com colaboração dos munícipes, da sua conservação. No ápice da colina, “contemplando” a cidade, a imagem do Cristo, num monumento de 15 m de altura por 12 de envergadura, num investimento orçado em R$ 380.000,00. No que concerne ao acervo arquitetônico, estilo barroco, a Igreja Matriz Nossa Senhora de Nazaré (matriz), criada em 1649 e que levou cerca de 100 anos para ser construída, além da Capela de Nossa Senhora da Conceição, fundada em 1742, tombada pelo IPHAN (Instituto de Patrimônio Artístico Cultural).
Compondo, ainda, esse conjunto arquitetônico, o Cine Rio Branco, construído em 1927, considerado o mais antigo na América Latina e que se encontra em funcionamento após ter sido “adotado” e reinaugurado em 2000 pelo penta-campeão mundial Vampeta, renomado jogador de futebol, nazareno, com brilhante passagem por grandes clubes do país e exterior, bem como seleção brasileira. O cinema, que foi construído por Felisberto Ribeiro Soares, em estilo “art nouveau” é um dos poucos ainda existentes em todo o pais, nesse estilo. A Estação Ferroviária Alexandre Bitencourt, que também integra o acervo arquitetônico histórico do município, situa-se no centro da cidade e, hoje, abriga o museu cultural, sediando eventos dessa ordem, além de cursos e outras atividades que têm por escopo a inclusão social. Era a estação onde embarcavam e desembarcavam passageiros que se deslocavam à capital do estado e municípios da região, na época em que funcionava a “Maria Fumaça”. O prédio dos Arcos é outra referência de Nazaré.
O município de Nazaré notabilizou-se, também, em razão da economia gerada pelos engenhos de açúcar que forneciam produtos para a capital do estado. Houve, naturalmente, um recrudescimento dessa produção com a extinção da estrada de ferro e a diversificação no seio da economia local através do implemento às atividades comerciais de produtos diversos.
Erguida ao lado do Rio Jaguaripe, a cidade ganhou notoriedade nacional. O município chegou a ser considerado uma das mais importantes na área de produção de farinha de mandioca no norte/nordeste e, porque não dizer, do país, a ponto de ser batizado como “Nazaré das Farinhas”. A famosa farinha de “copioba”, graças ao sabor e pelo fato de ser “fina”, recebeu essa denominação em homenagem à comunidade rural do município, onde esse produto era feito de forma artesanal.
A tradicional “Feia de Caxixi” constitui, hoje, um dos mais importantes eventos de exposição e venda de cerâmica do país e que acontece, anualmente, no centro da cidade, geralmente no mês de abril. Com barracas instaladas no “coração da cidade”, expositores de Maragogipinho se juntam aos de Nazaré para comercializarem seus produtos. O evento atrai turistas de toda a Bahia, do Brasil e, até, do exterior. A administração municipal contribui para a realização do evento, patrocinando a organização e disponibilização de bandas para animação do evento que já se tornou centenário. Além de objetos confeccionados em barro, encontra-se também artefatos confeccionados em palha, madeira, tecidos, enfim, produtos que deixam aflorar toda uma capacidade artística reinante no seio da população.
Não se poderia falar de Nazaré sem esquecer a pujança de sua culinária diversificada. Além das iguarias produzidas pela população, as que são comercializadas em restaurantes da cidade, em especial as que dizem respeito aos frutos do mar. Reportando-se aos atrativos turísticos ligados à natureza, a cachoeira do Roncador que dá forma a queda d’água com cascatas que ensejam banhos paradisíacos. O Morro do Silêncio é, também um dos locais bucólicos muito visitado por turistas, propiciando uma visão inigualável.
Nazaré teve início a partir do povoado iniciado no final do Século XVI, sendo batizado com esse nome por ter se erguido em torno da capela Nossa senhora de Nazaré, sediada em um antigo engenho de cana de açúcar. O município só foi emancipado em 10 de novembro de 1849, após ser desmembrada de Jaguaripe, através da Resolução Provincial 368, sendo elevada à categoria de cidade.
A cidade de Nazaré desde a época da estrade de ferro estabelecia o elo entre a capital do Estado, recôncavo e região. Vem se modernizando e se prepara para ser o “coração” do corredor econômico que está prestes a se desfraldar na região, principalmente, com a entrada em funcionamento do Estaleiro do Paraguaçu e a construção da ponte Salvador-Ilha de Itaparica. De olho nessa perspectiva, a administração municipal não vem economizando esforços para preparação de mão de obra qualificada, preparando, assim, os jovens para inserção no mercado de trabalho, de forma competitiva.
Nazaré, em que pese estar caminhando de forma célere para o desenvolvimento, governantes e a população, de mãos dadas, fazem de tudo para manter, orgulhosamente, o acervo arquitetônico e as tradições que fazem parte de sua história. Mas esse mesmo povo que cuida de sua história, continua escrevendo-a, com muita alegria um novo ciclo que, com certeza, fará com que continue ostentando o mesmo destaque a nível nacional.