‘A escola é um lugar seguro, está com todos os protocolos’ contra Covid, diz secretário de Educação sobre o retorno às aulas presenciais na BA

 Presente na aula inaugural da rede estadual de ensino, na manhã desta segunda-feira (7), na sede do Instituto Anísio Teixeira (IAT), em Salvador, o secretário de Educação da Bahia, Jerônimo Rodrigues, fez um balanço da gestão, admitiu o impacto da pandemia para o ensino no estado e apontou as estratégias do governo para compensar as perdas.


“Nós temos que reconhecer os dois anos muito difíceis. A rede deu o que pôde dar, o ensino remoto foi uma novidade muito grande pra toda rede. Professores, funcionários, estudantes, começamos a aprender a tocar nesse assunto de uma forma mais densa. Mas não havia uma estratégia pra essa coisa acontecer, a pandemia antecipou isso de uma forma muito brusca. Foi prejuízo, não temos dúvidas disso, mas a rede aprendeu a lidar”, declarou Jerônimo, apontando a necessidade de se discutir este novo modelo de aulas na Universidade, para a formação dos professores.

Além da falta de preparo do corpo docente para lidar com o ambiente virtual, o secretário lembrou ainda das dificuldades enfrentadas pelos alunos, sobretudo os mais pobres, que não possuem estrutura para as aulas remotas. “Não têm internet em casa, ou que não têm um celular, um computador, um tablet. Tudo isso dificulta o aprendizado. Não têm um espaço e não têm, naturalmente, apoio de professor, porque os pais nem sempre podem dar”, pontuou.

Destacando a inviabilidade de mais um ano de aulas remotas, Jerônimo Rodrigues garantiu a segurança de alunos e funcionários no retorno às aulas presenciais. “A escola é um lugar seguro, está com todos os protocolos, tem o Comitê Covid, todo mundo de máscara, vacinados… Nós temos professores e servidores vacinados, a comunidade escolar toda vacinada, nós temos condições de garantir a saúde da comunidade escolar, mas também de recompor a aprendizagem desse período”, afirmou o secretário.

ESTRATÉGIAS

Além dos protocolos voltados para a saúde, o governo da Bahia apontou algumas estratégias para recompor os conteúdos perdidos ao longo da pandemia. “Primeiro, que normalmente o ano letivo tem 200 dias. Nós estamos botando 206, portanto alguns dias a mais pra ir compensando. Segundo, vamos iniciar o ano letivo fazendo um grande processo de revisão, de reforço, pra que aqueles assuntos que mais dificultaram a vida dos estudantes ou que não deu tempo de ver todo, a gente possa recompor”, disse Jerônimo, anunciando ainda a ampliação da carga horária e o investimento na formação do corpo docente.

“Nós estamos tendo almoço com refeição fortalecida. Então, se o estudante puder ficar mais um turno, mais uma quantidade de horas, não todo dia, mas alguns dias, isso vai dar condições. E outro, é a formação de professores. Nós temos aqui para o IAT e pela superintendência nossa um processo denso de formação de professores”, disse o secretário.