João Roma aproveitou o lançamento oficial da campanha para reforçar sua ligação com o presidente Jair Bolsonaro e atacar os adversários político,

 


Ex-ministro e deputado federal, João Roma vai disputar cargo majoritário pela primeira veA oficialização da candidatura foi realizada em um espaço no bairro do Rio Vermelho, em Salvador, no terceiro dia do período para realização das convenções partidárias, conforme o calendário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Ex-ministro da Cidadania e deputado federal, João Roma vai disputar uma eleição para cargo majoritário pela primeira vez. Deputado de primeiro mandato, ele também foi chefe de gabinete da prefeitura de Salvador, entre de 2013 a 2018, durante maior parte da gestão do agora adversário ACM Neto.

"A nossa proposta é a de mudar o que está aí, que é a política do atraso. Dinheiro a Bahia tem, mas gasta muito mal. Vamos baixar os impostos. Não é possível o contribuinte pagar tanto imposto. Vamos fazer uma Bahia diferente."

Na chegada do evento, o candidato carregou nos ombros a filha Clarissa, seis anos, e foi ao encontro de apoiadores. Seu filho João, de nove anos, também estava na convenção, assim como a mãe, Roberta Roma, pré-candidata a deputada federalAinda no começo da convenção, houve um princípio de confusão quando apoiadores de Roma tentaram entrar em uma área de acesso controlado. A organização também precisou pedir que apoiadores saíssem do palco na chegada da chapa, já que muitas pessoas subiram para tentar registrar fotos com os candidatosCandidato de Bolsonaro na Bahia, João Roma manteve indefinido, durante o período de pré-campanha, quem o acompanharia na disputa como vice. O nome da médica Leonídia Umbelina coloca na chapa uma representante da maior cidade do interior do estado, Feira de Santana.

"Estarei em cada município ouvindo o povo. Chega de retrocesso. Vamos trabalhar e realizar o melhor. Sou conhecida por muito trabalho e ética, então, vejo essa indicação como reconhecimento. O povo baiano e o povo feirense conhecem meu trabalho", afirmou Leonídia.












Em conversa com a imprensa, criticou, sem citar nomes, ACM Neto (União) e Jerônimo Rodrigues (PT), principais adversários nas eleições de outubro. “É chegada a hora da mudança, da Bahia andar de mãos dadas com o Brasil.

O PL também oficializou no evento desta sexta o nome da médica Raíssa Soares, ex-secretária de Saúde de Porto Seguro, no extremo sul da Bahia, como candidata ao SenadoPropostas

Na avaliação de Roma, o caminho para geração de emprego e renda é superar as dificuldades de quem quer empreender e produzir na Bahia. Para isso, ele defende que é preciso “colar no presidente Bolsonaro”. Entre os projetos do candidato está a criação do Auxílio Bahia, versão local do Auxílio Brasil. Na convenção desta sexta-feira (22), Roma foi apresentado como o "pai do Auxílio Brasil".

O candidato a governador diz também que a violência é um fator que tem afastado investimentos na Bahia. Ele defende maior alinhamento com o governo federal e afirma que, caso seja eleito, “bandido não vai se criar na Bahia"Não farei como esses governantes que viram as costas para toda essa Bahia grandiosa, com muitas vocações, com muitos vetores de desenvolvimento, literalmente abandonados, pois não é nem o estado nem a prefeitura que geram emprego, quem gera emprego é quem atrai investimentos e colocam uma roça para produzir, uma pequena indústria, um comércio e um serviço", comentou.

Roma também defende investimentos em infraestrutura e em capacitação das pessoas para potencializar áreas como o turismo Ataques aos adversários

João Roma aproveitou o lançamento oficial da campanha para reforçar sua ligação com o presidente Jair Bolsonaro e atacar os adversários político, principalmente o PT. Ele destacou os feitos do líder do Executivo nacional, como obras executadas em estradas federais. "Bolsonaro me chamou e disse: 'Roma, faça o que é certo'", completou.

Roma afirmou que o presidente triplicou investimentos no Bolsa Família, além de ter ampliado o valor do benefício. "O PT dizia que ajudava os pobres, mas é Bolsonaro que está estendendo a mão para o povo".


Alianças

Horas antes da convenção que oficializou o nome de João Roma na disputa eleitoral, o PMB e PROS anunciaram apoio à candidatura.

Integrante do partido do presidente Jair Bolsonaro, Roma não terá no estado o mesmo arco de alianças que o presidente terá nacionalmente. Na Bahia, PP e Republicanos, principais partidos da base de apoio do presidente, estarão na coligação do ainda pré-candidato e ex-prefeito de Salvador, ACM Neto.

Entre apoios de liderança pelo estado, oficialmente, Roma conta com apoio dos prefeitos de Cruz Almas   Edanaldo  Ribeiro ,   de prefeito  Governador Mangabeira, Porto Seguro, Jânio Natal (PL) e de Serrinha, Adriano Lima (PP), além de gestores de cidades menores como Curaçá, do prefeito Pedro Oliveira (PSC), e de José Raimundo Araújo (PL), ex-prefeito de Ourolândia.

O candidato ao governo da Bahia pelo PL é neto do ex-deputado federal João Roma, parlamentar de três mandatos por Pernambuco e que também ocupou cargos de secretário de Segurança Pública no governo Barbosa Lima Sobrinho e secretário de Justiça no Governado Paulo Guerra, ambos em Pernambuco.

A candidata a vice, a médica recém-formada Leonídia Umbelina, atuou por 30 anos como enfermeira em Feira de Santana. Ela é evangélica e integra a Frente Evangélica BrasileiraA polarização está clara entre Bolsonaro e Lula. Bolsonaro tem um palanque na Bahia e esse palanque chama-se João Roma. Do outro lado, você tem o candidato oficial do PT, que é Jerônimo, e o oficioso, que é ACM Neto. Claramente a população está vendo hoje um Brasil diferente, que se orgulha do nosso verde e amarelo e estará de mãos dadas com o presidente Bolsonaro, para que a gente possa colocar a Bahia no caminho do desenvolvimento”, completou