Justiça bloqueia R$ 38 milhões de investigados na Operação Offerus realizado na Bahia


A Justiça bloqueio de R$ 38 milhões em valores e bens pertencentes aos investigados de um esquema de fraude a licitações, desvio de recursos públicos, corrupção ativa e passiva e lavagem de ativos envolvendo contratação do serviço de transporte escolar das cidades de Salvador, Alagoinhas, Casa Nova, Conde, Ipirá, Jequié e Pilão Arcado.

A polícia Federal, com o apoio da Controladoria-Geral da União (CGU), deflagrou nesta terça  (21), a Operação Offerus em Salvador e mais seis cidades do estado. Sendo esse o valor do superfaturamento e do desvio apurado em auditorias realizadas pela CGU em apenas dois dos municípios investigados, Alagoinhas e Casa Nova.

Conforme constatado durante as investigações, iniciadas em 2017, as licitações eram direcionadas para beneficiar um grupo de empresas pertencentes ao mesmo empresário, que terceirizava integralmente a execução dos contratos para motoristas locais a preços inferiores, apropriando-se da diferença, que lhe rendia cerca de R$ 300 mil. O nome da operação da PF, Offerus, é uma referência à lenda de São Cristóvão, o padroeiro dos motoristas.

De acordo com as investigações, um grupo de pessoas, incluindo empresários, servidores municipais, gestores e ex-gestores, atuava, desde 2009, no direcionamento de licitações de transporte escolar para empresas de fachada, constituídas em nome de “laranjas”. Os editais dos certames eram elaborados para afastar concorrentes, mediante a inclusão de cláusulas restritivas (idênticas, mesmo que em localidades diferentes).

O esquema incluía, também, a desclassificação de outras licitantes que tentavam participar dos pregões. Parte desse valor era utilizado para pagamento de propina aos servidores públicos envolvidos no esquema. Os mandados foram expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região, e têm por objetivo localizar e apreender provas complementares dos desvios nas contratações públicas, do pagamento de propinas e da lavagem de dinheiro.21 de Ago // Foto: Reprodução | Polícia