'Estou muito cansado. Não dá mais', diz Ciro Gomes após viajar para Europa

22 de Out // Foto: Marcello Casal /Agência Brasil | Política
Em uma conversa com a diretora de uma associação cultural, Érika Campelo, o ex-candidato a presidente da República, Ciro Gomes (PDT), admitiu que "realmente está muito difícil" a situação do Brasil. Campelo perguntou: "Por que você não está no Brasil?". Após perder as eleições o pedetista decidiu viajar para Paris, na França. "Eu estou muito cansado. Estou batalhando há três anos. E não dá mais", disse.

Ciro ressaltou que o PT "errou" ao preferir "disputar com Bolsonaro no segundo turno", conforme publicado pela colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha. Questionado por Érika se ele gostaria de ter tido o apoio do PT, o pedetista elogiou Fernando Haddad. Mas afirmou que a esquerda deveria ter debatido para saber quem seria o melhor candidato para o momento.

Em Paris desde que terminou o primeiro turno das eleições em terceiro lugar, Ciro Gomes tem se mantido longe dos holofotes. O pedetista criticou também neste último domingo (21), a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL), mas evitou mais uma vez pedir voto diretamente ao petista. Em declaração nas redes sociais, ele afirmou que tem alertado há anos o país sobre "o crescimento do fascismo" e acusou alguns grupos políticos de terem se omitido.

"Enquanto alguns se omitiam, eu já lutava contra esse perigo para o Brasil. Essa luta seguirá ainda mais forte", disse. Magoado com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Ciro, que ficou em terceiro lugar no primeiro turno, viajou para Europa no início do segundo turno e tem evitado dirigentes petistas que querem um apoio explícito dele a Haddad.