Alice Portugal: ‘Vamos fazer uma eleição sem coligação’


A deputada, que em 2020 não conseguiu emplacar a sua candidatura, afirmou estar satisfeita com a tarefa que irá exercer no PCdoB em 2020

Bianca Andrade / Chayenne Guerreiro
Foto: Chayenne Guerreiro
Foto: Chayenne Guerreiro

A deputada federal Alice Portugal (PCdoB) voltou a negar um mal-estar com a pré-candidata da deputada estadual Olívia Santana pelo partido e reforçou o apoio a campanha da deputada em 2020.
“O nome de Olívia é um nome factível, que pode unir toda a frente que apoia o governador Rui Costa, defendendo seus feitos em Salvador e ampliando para falar para essa cidade real e profunda. Eu acredito muito nesse projeto e espero qe se possa ter a generosidade dessa construção coletiva”.
Ao bahia.ba durante a Lavagem do Bonfim nesta quinta (16), a deputada, que em 2020 não conseguiu emplacar a sua candidatura, afirmou estar satisfeita com a tarefa que irá exercer no PCdoB em 2020.
“Nós compreendemos que esse é um outro momento, eu jogo um papel nacional de certa relevância para enfrentar o governo Bolsonaro. Sou a deputada mais votada da Bahia e o partido me deu a função das suas relações institucionais, de preparar os candidatos em todo estado a vereador, vamos fazer uma eleição sem coligação, onde o PCdoB precisa sobreviver. Estou muito satisfeita com a tarefa que eu vou exercer e apoio integralmente o nome de Olívia em Salvador”.
Questionada sobre a possibilidade de uma unificação, Alice garante que estão sendo feitas tentativas, mas o atual nome do partido tem uma boa representatividade com os militantes locais.
“Houve tentativas por parte do governo do estado de buscar um candidato outsider, mas acredito que no campo dos militantes soteropolitanos, nós temos condições de ter um candidato. O nome de Olívia é um nome factível, que pode unir toda a frente que apoia o governador Rui Costa, defendendo seus feitos em Salvador e ampliando para falar para essa cidade real e profunda. Eu acredito muito nesse projeto e espero que se possa ter a generosidade dessa construção coletiva”.

Nenhum comentário